Tem pra todos?

[ Testemunho ]

Minha neta Julia, a quem carinhosamente chamamos de “Julinha”, está com três anos de idade e gosta muito de tapioca. Há alguns dias atrás ela estava com seus pais em nossa casa, quando na hora do lanche sua vó perguntou se ela queria tapioca e ela afirmou que sim. Ocorre que, quando a Eloina foi verificar a quantidade de goma, comentou que só restava um pouco e que dava para fazer apenas uma tapioca e essa seria da Julinha. Mesmo assim, a Julinha ainda dividiu aquela minúscula tapioca com os seus avós.

Cerca de uma semana depois ela estava com seus pais novamente em nossa casa. Ao chegar a hora do lanche, sua avó perguntou se ela queria tapioca e qual foi a nossa surpresa quando a Julinha respondeu à pergunta com outra pergunta: “Tem pra todos?”

Isso significava que ela lembrava do ocorrido há uma semana atrás e a sua preocupação para que todos tivessem era latente. Graças a Deus, dessa vez tinha para todo sim.

Esse episódio com a Julinha me fez lembrar o texto bíblico de Atos 2:44 “Todos os que creram estavam juntos, e tinham tudo em comum.”

Parece que “estar junto” e “ter tudo em comum” era a tônica do convívio entre os irmãos da igreja primitiva, em cujos irmãos havia uma preocupação muito grande do bem-estar e cuidado de uns para com os outros.

Ainda hoje encontramos muitos irmãos nos quais permanecem esse cuidado e preocupação e, sinceramente, procuram fazer tudo o que lhes está disponível a fim de que possam proporcionar um bem-estar no próximo. Entretanto, ao contrário destes, há uma grande maioria daqueles, cujas preocupações são somente para si mesmos e para com aqueles que são mais de seu grupo familiar ou de seu grupo social. Dentre estes existem ainda aqueles que se arvoram de um texto bíblico que se encontra em Gálatas 6:10, “Por isso, enquanto tivermos oportunidade, façamos o bem a todos, mas principalmente aos da família da fé.” A falta de clareza espiritual e o mal entendimento do texto, aliados com a incapacidade de altruísmo, faz com que muitos enxerguem somente a parte do, “mas principalmente aos da família da fé”, em detrimento do “façamos o bem a todos”.

Assim, o questionamento da pequena “Julinha” em querer saber se “Tem para todos?”, traz para mim um grande ensinamento e reflexão de querer saber até onde eu tenho me preocupado com o meu próximo, independente dele ser ou não da minha família da fé. Aliás, o próximo é um ser, independentemente de cor, raça, gênero, religião ou partido. E o único pré-requisito que devo analisar é se ele ou ela está precisando de mim.

 

 


Autor: Pr. Paulo Arruda
Data: 02/08/2020
Fonte: Jornal de Apoio

[ visualizar todos artigos ]

E dou graças ao que me tem confortado, a Cristo Jesus Senhor nosso, porque me teve por fiel, pondo-me no ministério;

1 Timóteo 1:12