Pequenas “igrejas”, grande projeto

[ Igreja ]

Algumas práticas entre as doutrinas básicas da fé cristã são essenciais para não perdermos o rumo como membros da Igreja, Corpo de Cristo. Todo crente tem que ter em mente, de modo inequívoco, a compreensão bíblica de Igreja, discernindo a diferença entre o singular e o plural do termo.

A compreensão básica é que a igreja (singular), corpo e noiva de Cristo, aquela que será arrebatada (1 Ts 4.16-17), é composta pelos crentes salvos em Cristo, vivos e mortos no arrebatamento. O outro aspecto, tão importante como este, é o das igrejas (plural), no sentido de pessoas que se reúnem em grupos ou congregações, que nós comumente identificamos como igrejas locais. Há muitas referências a esse aspecto, principalmente nas cartas de Paulo, plantador de igrejas, como é o caso de Gálatas 1.2: “e a todos os irmãos meus companheiros, às igrejas da Galácia”. Veja que ele se refere às “igrejas”, grupos de pessoas reunidas em diferentes lugares na região da Galácia.

Em síntese, o crente precisa saber que as pessoas não se reúnem na igreja, mas a igreja é que se reúne em algum lugar. Esse aspecto da igreja é tão importante que, o reunir-se, implica em exortação: “Não deixemos de congregar-nos, como é costume de alguns; antes, façamos admoestações e tanto mais quanto vedes que o Dia se aproxima” (Hb 10.25). Portanto, nenhum de nós tem o direito de achar que congregar é opcional.

Depois de entendermos bem o que é ser igreja, temos que saber qual a missão da igreja neste mundo. Entre os muitos textos que expõem a missão da igreja, temos as palavras de Jesus em Mateus 28.18-20 que assim o sintetiza: “Jesus, aproximando-se, falou-lhes, dizendo: Toda a autoridade me foi dada no céu e na terra. Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-os a guardar todas as coisas que vos tenho ordenado. E eis que estou convosco todos os dias até à consumação do século”. Um detalhe que pode passar despercebido aqui é a permanência da missão sem a menor mudança, do começo ao fim: “todos os dias até à consumação do século”. Para a Igreja, e consequentemente para as igrejas, isso significa até o fim da nossa permanência por aqui, ou seja, até o soar da última trombeta que antecederá o arrebatamento.

Finalmente, temos a questão do local onde essa missão deve ser executada. O mesmo texto de Mateus, a exemplo de outros que apresentam a missão da Igreja, aponta o mundo inteiro como local da execução da nossa tarefa. Mas há um texto interessante, que mostra Jesus fazendo o trabalho, sentindo compaixão e exortando os discípulos, tanto a trabalhar, quanto a conseguir mais pessoas para executar o trabalho. Esse texto é Mateus 9.35-37:  “E percorria Jesus todas as cidades e povoados, ensinando nas sinagogas, pregando o evangelho do reino e curando toda sorte de doenças e enfermidades. Vendo ele as multidões, compadeceu-se delas, porque estavam aflitas e exaustas como ovelhas que não tem pastor. E, então, se dirigiu a seus discípulos: A seara, na verdade, é grande, mas os trabalhadores são poucos. Rogai, pois, ao Senhor da seara que mande trabalhadores para sua seara.

Seara, é um campo onde se pode plantar e colher. Isso significa que, desde aqueles dias, até o dia e hora em que Jesus vai voltar a nossa missão é a mesma. Nada muda! Se o campo é o mundo, a seara na qual colhemos vidas para Cristo, precisamos responder algumas perguntas: Minha família faz parte da seara? Meus vizinhos, meus amigos, colegas, e as pessoas com as quais me encontro na jornada desta vida fazem parte da seara?

Se João 14.6 afirma que Jesus é “o caminho, e a verdade, e a vida”, e ninguém vai ao Pai senão por ele, a questão é: Qual é o nosso trabalho na seara senão semear e colher, ou seja, falar de Jesus e levar pessoas a ele?

Pelo que vemos em todo o Novo Testamento, essa tarefa foi dada a cada um de nós com a finalidade de reunir pessoas para louvar a Deus, ensinar a doutrina dos apóstolos, ter comunhão, comer juntos, orar e ajudar uns aos outros... Se fizermos assim, a promessa em Atos 2.47 é que pessoas serão acrescentadas à nossa congregação. Por isso, mesmo pequenas igrejas, fazem parte do grande projeto!

 

 


Autor: Carlos Alberto Moraes
Data: 05/06/2020
Fonte: J.A. 317

[ visualizar todos artigos ]

Não to mandei eu? Esforça-te, e tem bom ânimo; não temas, nem te espantes; porque o Senhor teu Deus é contigo, por onde quer que andares.

Josué 1:9